Distensão abdominal e a dieta fodmaps

1

Cada vez com mais frequência, muitos indivíduos relatam uma série de sintomas como a dor abdominal, o aumento de gases intestinais, o meteorismo (dilatação do abdômen devido a gases) – especialmente na ingestão de alguns alimentos. Estamos diante da distensão abdominal, que ocorre depois de refeições excessivas com relação à introdução de alimentos e provoca uma disfunção por alteração da motilidade abdominal, que se manifesta por diarreia e constipação alternadas.

Os remédios geralmente dão pouco alívio a esses sintomas, e os pacientes que sofrem dessa sintomatologia começam a excluir uma série de alimentos pensando que são intolerantes a eles. Finalmente um pouco de clareza, apoiada por estudos científicos sérios, parece que está ganhando terreno com a dieta FODMAPs.

Distensão abdominal fodmaps

O que é dieta FODMAPs

 

FODMAPs é um acrônimo  [FermentableOligo-Di-Mono-saccharides And Polyols] que significa oligo dimonossacarídeo fermatável e polióis. Este termo foi inventado por pesquisadores que acreditam que os alimentos que contêm estas formas de carboidratos exacerbam os sintomas de algumas doenças digestivas, como a síndrome do intestino irritável (SII) e a SIBO (pequenas bactérias do intestino de crescimento excessivo). Um grupo de pesquisadores australianos propôs uma teoria sobre o uso de uma dieta FODMAPs para indivíduos que sofrem de distúrbios de motilidade e hipersensibilidade visceral, ou seja, a distensão abdominal.

Estes pesquisadores identificaram que os carboidratos de cadeia curta contidos em muitos alimentos podem ser pouco absorvidos pelo intestino delgado e rapidamente fermentados pelas bactérias intestinais no íleo e no cólon proximal. Os sintomas à distensão do intestino em dos modos: através de um alto volume de líquidos retidos devido ao processo de osmose e a um aumento da produção de gases. Os pesquisadores conduziram numerosos estudos para suportar tal teoria e estão avaliando misturar a água retida e os gases produzidos com o teste de respiração no hidrogênio.

Diminuindo a distensão abdominal

O aumento da distensão abdominal é devido aos alimentos com elevado teor de FODMAPs e pode contribuir para vários sintomas, como dor abdominal, aumento dos gases intestinais, meteorismo, distensão abdominal, alteração por disfunção da motilidasde abdominal que se manifesta com diarreia e constipação.

Nas distensões abdominais, são comuns preocupações como o alimentando está se transformando em um problema, não saber o que comer, não saber mais o que fazer porque o médico sempre diz que não há nada de errado, que seu organismo está indo bem.

A teoria do FODMAP é baseada no fato de que, limitando tais alimentos, devem-se reduzir os sintomas, e isto deve acontecer em três quartos dos pacientes. Sobre este assunto foram publicados numerosos estudos, e alguns relatam resultados encorajadores.

Evitar alimentos com lactose, frutose, frutanos (cadeias de frutose contida em muitos alimentos como farinha, cebola, alho), galactanos (nos legumes como feijões e lentilhas), polióis (contidos em algumas frutas, verduras, adoçantes, gomas de mascar).

As informações relativas aos alimentos com elevado conteúdo de FODMAP são genéricas e não podem ser aplicadas a todos; se quisermos seguir uma dieta com baixo teor de FODMAP, é melhor construir uma dieta personalizada para que tenhamos uma dieta balançada e com uma saudável ingestão de fibras.

 

Alimentos que se podem consumir com uma dieta com baixo teor de FODMAPs

Os alimentos principais com baixo teor de FODMAPs são: peixe, frango e peru, ovos, carne de vitela e queijos duros.

Segue-se uma tabela com o detalhamento para frutas, verduras, cereais, laticínios e outros.

 

  FRUTAS VERDURAS CEREAIS LATICÍNIOS OUTROS
Banana Cenouras Pão e outros cereais sem glúten Leite sem lactose Tofu
Mirtilo Ervilhas Arroz Leite de arroz Adoçantes: Açúcar e todos os adoçantes que não terminam por OL
Morangos Abóbora Polenta Leite e iogurte de soja Aspartame
Framboesa Repolho chinês Aveia Iogurte sem lactose
Uva Aipo Quinua Iogurte grego
Melão branco e amarelo Brócolis Tapioca Sorvetes sem lactose
Toranja (grapefruit) Pimenta Nozes
Kiwi Alface
Limão Azeitonas
Lima Espinafre
Laranja Batatas
Abacaxi Tomates
Maracujá Abobrinha
Especiarias
Ervas aromáticas

 

Alimentos que não se podem consumir com uma dieta com baixo teor de FODMAPs

FRUTAS VERDURAS CEREAIS LATICÍNIOS POLIÓIS
Frutas com elevada quantidade de frutose Alcachofras Pão de forma Leite de vaca Adoçantes que contenham sorbitol
Maçã Aspargos Biscoitos Leite de Capra Manitol
Pera Couve de Bruxelas Macarrão Iogurte Maltitol
Melancia Couve-flor Cuscus Sorvetes Xilitol
Manga Cogumelos Queijos frescos Mel
Frutas com polióis Milho Legumes Ricota mascarpone Aloé
Damascos Cebolas Lentilhas Creme
Abacate Cebolinha Feijões
Cerejas Alho-poró Feijões de soja
Pêssegos Alho Grão de bico
Ameixas Chicória
Caqui Berinjelas
Sucos de frutas Erva-doce
Frutas desidratadas

Últimas proibições: não utilizar fruto-oligossacarídeos (FOS), que são açúcares não convencionais, os quais não são metabolizados pelo organismo humano, embora não sejam calóricos, tampouco inulinas (um grupo de fruto-oligossacarídeos), álcool obtido a partir do açúcar, rum.

Tratamento gradual (como em alergias)

 

Para estabelecer a tolerância a estes componentes dietéticos, é necessário eliminar os alimentos com elevado teor de FODMAPs por 6 a 8 semanas e depois gradualmente reintroduzi-los para identificar o alimento ao qual somos intolerantes.

É aconselhável reintroduzir cada alimento por 4 dias com um período de pausa entre um alimento e o outro. A meta é identificar o início em que se pode consumir alimentos que contenham FODMAP sem ter os sintomas.

Depois da primeira semana de suspensão deve haver uma melhora da sintomatologia quando se reintroduz um alimento-teste: se reaparecem os sintomas, não experimente outro alimento por duas semanas.

Os alimentos-teste são:

– para a lactose: meia xícara de leite;

– para a frutose: meia manga ou duas colheres de chá de mel;

– para os frutanos: duas fatias de pão ou uma xícara de macarrão;

– para os galactanos: meia xícara de lentilhas ou grão de bico;

– para os polióis: 2 ou 4 damascos desidratados ou meia xícara de cogumelos.

 

Segundo essa teoria, dietas pobres em FODMAPs têm trazido uma evidência mais alta de um bom efeito para quem tem distensão abdominal.  Sempre a consulta a um médico ou a um nutricionista de sua confiança é o melhor caminho para quem quer resolver um problema de saúde que dependa ou não de alteração em hábitos alimentares. Aqui são apenas umas dicas, com o aval de especialistas australianos e também estudos de dietologistas italianos.

 

Claudionor Aparecido Ritondale

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta